Ponte com Apoio Assimétrico na Cadeira

 

 

Os instrutores amam as pontes e suas variações, pois elas trabalham a mobilidade da coluna, a consciência corporal, glúteos, isquiotibiais e Power House. São ótimas para fazer os praticantes sentirem como é importante “expirar até a última molécula de ar” e ativarem corretamente os músculos de maneira que consiga-se abrir a região dos flexores de quadril. Os alunos que dizem que não sentem nada executando a shoulder bridge certamente pecam por chegar na posição sem pensar em como chegar lá. É na maneira de fazer que está a graça dos exercícios de Pilates.

 

Posição Inicial: Deitado no solo com a bacia próxima à base da Chair. Os joelhos estão flexionados com um pé no assento e o outro no pedal. Braços esticados ao lado do tronco.

 

Movimento: Elevar a pélvis enrolando a coluna e depositando o peso no membro inferior que está sobre o assento. Mantendo-a no alto, fazer um movimento de descer e subir o pedal e então retornar a bacia para o solo apoiando uma vértebra de cada vez.

 

Pontos Importantes:

  • Sempre que há assimetria de carga e/ou posicionamento entre os membros inferiores há a tendência de desalinhar a pélvis. Deve-se prestar atenção para que não ocorra rotação para o lado do pé que está no pedal. Pensar que o joelho desse lado quer passar por cima do aparelho e ir para longe.

  • Buscar abrir a região anterior do quadril. Desta maneira evitamos a compensação em anteversão pélvica e ativamos mais os glúteos.

  • Ao descer o pedal, fica ainda mais difícil fazer o que foi citado nos dois itens acima. É preciso contrair o Centro de Força e ativar a Base Pilates. A amplitude dessa descida deve ser apenas até onde não surjam as compensações e que não se perca a altura da bacia.

  • Os braços permanecem alongados e pesados no chão, isto é, a musculatura está ativa para manter o alinhamento dos ombros e oferecer o correto suporte do peso do corpo sobre as escápulas.

  • Esta variação é interessante não só pelos seus próprios desafios, mas também porque pode preparar o aluno para executar a versão mais instável, com o apoio de ambos os pés no pedal.

 

Consideramos crime gravíssimo com pena inafiançável aqueles que espalham calúnia e difamação sobre a Ponte, alegando que:

1- Esse é o exercício da câimbra.

2- Ai, esse faz a minha coluna doer.

3- Ela trabalha o que mesmo?

 

 

Veja mais:

 

 

Ponte com um Pé Apoiado na Bola

 

A Ponte e o Apoio nas Escápulas

 

 

Please reload

Workshops Espaço Fluir

Clique na imagem para saber mais

O que você procura?

Please reload

DÚVIDAS E SUGESTÕES, AQUI É O LUGAR!

UM BLOG POR ESPAÇO FLUIR

© 2014 POR ESPAÇO FLUIR.