A História por Trás dos 6 Princípios de Pilates

 

 

Ao contrário do que muitos pensam Joseph Pilates não definiu diretamente os famosos e tão divulgados (inclusive em cursos) seis princípios do método. Ele determinou muitos fundamentos para que as pessoas pudessem praticar a Contrologia da forma correta, mas não foi ele quem dividiu dessa forma as regras do jogo.

 

Suas duas obras Return to Life e Your Health são verdadeiros guias de bem-estar com dicas sobre como devemos comer, que roupa devemos usar para fazer atividades físicas, quantas horas devemos dormir, entre outras. Pilates fala sobre a importância da respiração, como a expiração completa favorece a renovação do ar, por isso destaca o uso dos músculos expiratórios para expulsar todas as moléculas existentes nos pulmões. Ele também evidencia a ativação da circulação para levar oxigênio aos tecidos. Ele discute sobre o quão necessária é a concentração para o controle de movimento, ter a mente comandando o corpo e envolvê-la durante a atividade física.  Além disso, mostra sempre muita preocupação com o alinhamento corporal e dá direcionamentos claros sobre como se posicionar em cada exercício e sobre a continuidade do movimento que envolve ritmo e controle.

 

No entanto, quem traduziu tudo isso e dividiu o método em seis princípios foram os instrutores Gail Eisen e Philip Friedman no livro The Pilates Method of Physical and Mental Condicioning de 1984. Eles estudaram com Romana Kryzanowska, a discípula direta de Pilates e guardiã do método.

Desta forma, pela primeira vez, o método foi organizado didaticamente em itens que se popularizaram por sua clareza e praticidade. São eles:

 

  • Controle - Os exercícios devem ser feitos sem movimentos compensatórios;

  • Concentração - Controle da mente sobre o corpo;

  • Centralização - Habilidade de se mover através do centro do corpo, ativando o Power House;

  • Precisão - Não fugir às regras, sair do lugar certo e chegar ao lugar determinado pelo caminho indicado pelo mestre;

  • Respiração - Questão muito importante para se ter controle, por isso Pilates ditou como a inspiração e a expiração devem ser feitas em todos os exercícios;

  • Fluidez de Movimento - Os exercícios devem respeitar um ritmo do início ao fim, sem trancos, sem momentos mais rápidos ou mais lentos. O praticante não deve querer se livrar do movimento, nem pegar atalhos, tudo deve ser feito como manda o script sem improvisos.

 

Todos eles foram tirados direta ou indiretamente do Return to Life e das aulas com Romana.

 

Lembre que o método foi nomeado de Contrologia e para fazer jus a ele, estes princípios são necessários. Praticar Pilates não é pura e simplesmente se exercitar em um estúdio de Pilates, é seguir todas estas regras.

Please reload

Workshops Espaço Fluir

Clique na imagem para saber mais

O que você procura?

Please reload

DÚVIDAS E SUGESTÕES, AQUI É O LUGAR!

UM BLOG POR ESPAÇO FLUIR

© 2014 POR ESPAÇO FLUIR.